Um Fator Decisivo Para a
Sobrevivência da Humanidade
 
 
Pitirim A. Sorokin
 
 
 
 
 
O casamento é uma prova social da maturidade física, mental, emocional, espiritual e cívica do indivíduo. Implica a momentosa transformação de um rapaz num marido-pai e de uma moça numa esposa-mãe, com as mudanças correspondentes em sua posição, privilégios e responsabilidades sociais.
 
Para uma grande maioria dos homens e mulheres, o casamento é a unificação mais vital, mais íntima, mais completa, do corpo, da mente e do espírito em um nós socialmente aprovado e indivisível. Num bom casamento fundem-se os egos individuais das partes. As alegrias e pesares de um tornam-se as alegrias e pesares do outro. Todos os seus valores, aspirações e vicissitudes da vida passam a ser inteiramente compartilhados. Sua mútua lealdade é empenhada incondicionalmente, até que a morte os separe. O laço do casamento é verdadeiramente sagrado e indissolúvel.
 
Uma união assim tão completa constitui o mais poderoso antídoto contra a solidão. Desenvolve e expressa em sua forma mais nobre e melhor, no enobrecimento moral do casal e na verdadeira socialização dos filhos.
 
Desde o passado mais remoto, os pais casados têm sido os mestres mais eficazes de seus filhos e a família tem sido a escola mais importante na transformação dos recém-nascidos dos animais humanos em personalidades inteligentes e socialmente responsáveis. Esse decisivo papel educacional é perfeitamente sintetizado no ditado que afirma:
 
“Tal como é a família, assim será a sociedade”.
 
Além disso, o cultivo do amor mútuo e da mútua tarefa de educar os filhos estimula as pessoas casadas a externarem e desenvolverem os seus melhores impulsos criativos. Pois não há dúvida de que a missão de moldar as próprias personalidades e as de seus filhos é tão nobilitante como a criação de uma obra-prima nas artes ou nas ciências. E, independentemente da educação, da posição social, da religião ou das condições econômicas, cada par casado tira de um bom casamento a mais completa satisfação desse anseio criador que existe em todos nós. 
 
Neste sentido, o casamento é a escola mais universal e mais democrática de desenvolvimento do potencial criador de cada ser humano. Esse anseio criador é provavelmente a marca mais distintiva da espécie humana e sua satisfação é uma necessidade absoluta para a felicidade humana.
 
Desfrutando a união conjugal em sua infinita opulência, os pais realizam espontaneamente muitas outras tarefas vitais. Mantêm a procriação da raça humana. Por meio de sua progênie determinam a hereditariedade e as características adquiridas das gerações futuras. Por meio do casamento atingem uma imortalidade social sua, de seus antepassados, de seus próprios grupos e de sua coletividade. Essa imortalidade é garantida pela transmissão de seu nome e valores e de suas tradições e modos de vida a seus filhos, netos e gerações posteriores.
 
O cumprimento dessas tarefas explica por que o casamento tem sido considerado por todas as sociedades o ponto culminante da existência humana e o fator mais decisivo da sobrevivência e bem-estar das próprias sociedades.
 
000
 
O artigo “O Poder Espiritual do Casamento” foi publicado nos websites associados dia 02 de setembro de 2021. Trata-se de um trecho do livro “A Revolução Sexual Americana”, de Pitirim A. Sorokin, Ed. Fundo de Cultura, Rio de Janeiro, 1961, ver pp. 12-14. A tradução foi comparada com a edição original em inglês (“The American Sex Revolution”, Porter Sargent Publisher, Boston, 1956). Uma versão mais curta do texto faz parte da edição de novembro de 2019  de “O Teosofista”, pp. 1-2.
 
000
 
Leia mais:
 
 
 
 
 
 
000
 
 
Helena Blavatsky (foto) escreveu estas palavras: “Antes de desejar, faça por merecer”. 
 
000