Com o Tempo, Tudo Anda, e Tudo Pára
 
 
Luís de Camões
 
 
 
Visão parcial de uma estátua de Luís de Camões (1524-1580) feita pelo escultor Vítor
Bastos. A estátua encontra-se no centro do Largo de Camões, no bairro do Chiado, Lisboa.
 
 
 
Co tempo o prado verde reverdece,
Co tempo cai a folha ao bosque umbroso,
Co tempo pára o rio caudaloso,
Co tempo o campo pobre se enriquece.
 
Co tempo um louro morre, outro floresce,
Co tempo um é sereno, outro invernoso,
Co tempo foge o mal duro e penoso,
Co tempo torna o bem já quando esquece.
 
Co tempo faz mudança a sorte avara,
Co tempo se aniquila um grande estado,
Co tempo torna a ser mais eminente.
 
Co tempo tudo anda e tudo pára,
Mas só aquele tempo que é passado
Co tempo se não faz tempo presente.
 
000
 
O poema acima está publicado nos websites associados desde 15 de outubro de 2019. Foi reproduzido do volume “Obras de Luís de Camões”, Lello & Irmão – Editores, Porto, Portugal, 1459 pp., 1970, ver Soneto CCCXLVI, p. 180.
 
000
 
O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 
 
 
Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   
 
 
000